Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 24 de março de 2011

Término da primeira fase de restauração dos Arcos!


Prefeitura, Iphan e Santander entregam obras de restauração dos Arcos da Lapa

Evento também marca o início da segunda fase do projeto

Etapas da restauração podem ser acompanhadas por meio de redes sociais

O término da primeira fase da restauração dos Arcos da Lapa será celebrado dia 25, sexta-feira próxima, às 19 horas, com a presença do prefeito, Eduardo Paes, do secretário municipal de Conservação, Carlos Roberto Osório, do superintendente do Iphan, Carlos Fernando Andrade, e de Sérgio Ricardo Macedo, Superintendente regional do Santander, parceiro do projeto, além de figuras ilustres ligadas à história do bairro e do monumento. Na ocasião, será efetuada a substituição do banner informativo referente a esta fase dos trabalhos, por outro que trará informações sobre a sua continuidade e haverá também a apresentação do grupo de percussão Afro Lata. A próxima fase da obra compreenderá, entre outras ações, a recuperação do gradil de proteção e do leito do bondinho, serão investidos pelo Santander mais R$ 500 mil, sem qualquer incentivo fiscal.

Quem quiser acompanhar passo a passo o andamento das obras, pode seguir de perto pelo twitter (@arcosdagente), pelo facebook e também assistir os vídeos no youtube. Os detalhes completos estão no site www.arcosdagente.com.br. Com investimento de cerca de R$ 1,2 milhão, pela Lei Rouanet, o Aqueduto da Carioca – nome oficial dos Arcos – foi restaurado por meio do Programa Nacional de Apoio à Cultura – Pronac, do MinC, cujo projeto foi administrado pelo CENTRO DE ESTUDOS E PESQUISAS 28 – CEP28. 

As obras - A execução dos trabalhos foi iniciada no final de maio de 2010 e vem envolvendo equipe multidisciplinar do Iphan/Rio, além de técnicos e equipamentos da Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos, por meio da Rioluz. As ações englobaram a realização de testes estruturais, escavações e pesquisas arqueológicas, a recomposição da alvenaria e a pintura do monumento e nelas foram empregadas 12 toneladas de cal de argamassa e 4 de cal. Esta fase do projeto, na qual atuaram 60 pessoas, direta e indiretamente, incluiu, ainda, a formação de mão de obra especializada em técnicas antigas de revestimento e pintura – por meio de oficinas de restauro e sobre a importância da conservação de patrimônio, aplicadas no próprio local e que serão intensificadas nessa segunda fase. Durante as obras, também foi elaborada uma rica documentação sobre o monumento e seu histórico, que em breve será disponibilizada à sociedade.
Para valorizar o projeto de restauro em andamento, a Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos, com a Rioluz, reformulou a iluminação monumental dos arcos, trocando os antigos projetores por novos. No total são 15 projetores (dez de 2.000 watts e cinco de 1.000 watts) que aumentaram a luminosidade em 30% sem aumento do consumo de energia.

História - A construção dos arcos foi concluída em 1726 e refeita em 1750, devido a erros do projeto inicial. Ao longo do século XIX, o monumento perdeu sua função original, que era a de disponibilizar à população as águas do Rio Carioca, vindas de Santa Teresa, ganhando uma nova e inusitada utilidade: servir de passagem para uma linha de bondes elétricos, instalada em 1896. Por sua importância histórica e artística, o Iphan tombou os Arcos da Lapa em 1938.